POV Bella
–Não é da sua conta Alice.Por quê não cuida da sua vida?-Edward estava meio furioso com a repentina aparição de Alice.
Ela bateu o pé no chão como uma criança mimada,Edward no entanto saiu pisando duro em direção a sala de jantar.
–Vejo que você é mais uma das mulheres que Edward pega- Alice falou com desdém.
–Não querida,eu não sou mais uma,eu sou a única na vida dele- falei isso,mas não tinha plena certeza se era verdade.
Tudo bem que comigo era meio diferente.Edward me respeitava,mas ele ainda não estava pronto para um relacionamento,não queria me iludir,mas não deixaria essa Alice me passar para trás.Não mesmo.
–Está na cara para todos verem que você é uma mulher fácil- afirmou aquela baixinha irritante.
–Pense o que quiser,não tenho tempo para discutir com pessoas fúteis e de quebra sem cérebro- saí a deixando sozinha.
Sem sombra de dúvida aquela mulher seria uma pedra em meu caminho,estava mais do que comprovado que ela era apaixonada pelo Edward,a forma como interrompeu nosso beijo,claramente ela demonstrou que estava morta de ciúmes.
Ela não irá me tirar o Edward,confesso,ele não é meu,mais pode ser e será.
Cheguei a sala de jantar e tanto meu irmão,Rosalie e Edward estavam acomodados nas cadeiras acolchoadas,pedi silenciosamente para que a comida ainda estivesse quente.
–Bella onde está Alice?Rosalie perguntou.
Dei de ombros.
–Não sei Rose,ela estava vindo para cá com vocês.
Edward lançou um olhar significativo em minha direção.
–Vou chamá-la,me dêem licença- Edward se retirou da mesa.
–Por quê Alice tem sempre que demorar tanto?-Emmett estava meio...frustrado?-Estou com fome.
–Emmett,tenha modos,não foi assim que eu lhe ensinei.-Rose deu um tapa em meu irmão.
–Calma ursinha,eu só estou falando a verdade,ok?
Alguns minutos depois Edward e Alice chegaram;Ambos calados.Edward me olhou com raiva.
Raiva?
Meu Deus!O que eu fiz?
Percebi que Alice estava com o nariz vermelho.
Ela havia chorado ?
–Alli o que foi?-Rose perguntou preocupada.
–Não foi nada Rose,apenas alguém me magoou-deu de ombros.
Quem?
Será que ela estava falando de mim?
Não!
–Não fique assim,logo passa- Rose afagou seu rosto.
Alice me lançou um sorriso debochado.
Teatro!
Era isso,ela estava fazendo um teatro,com certeza contou ao Edward e aumentou a nossa pequena discussão.
Ela não valia nada.
–Obrigada Rose- agradeceu a infeliz.
Começamos a comer e Emmett fazia caras e bocas a cada garfada que dava.
–Uuuh isso é muito bom -falou meu irmão.
–Esplêndido!-indagou Edward limpando a boca com um guardanapo.
–Como se chama esse prato?-perguntou Emmett.
–Cocotte Surp...como se chama mesmo Bella?-Rose para variar errou o nome.
–Cocotte Surprise-falei.
–Quem cozinhou?-Edward perguntou se servindo de mais uma porção.
Fiquei calada.
–Bella,minha irmã conzinha muito bem Edward.
–Parabéns Isabella-Isabella?Edward raramente chamava-me pelo nome completo.Definitivamente ele estava com raiva de mim,tudo por causa daquela infeliz da Alice.
–Bella,só Bella-falei lhe encarando intensamente.
–Seu nome é Isabella,então lhe chamarei de Isabella,não gosto de apelidos -falou me encarando da mesma forma que eu fiz anteriormente.
Depois dessa fiquei calada.
–Não acho que está muito bom,acho que está salgado,você errou na quantidade de sal querida -Alice destilou seu veneno de cobra em mim.
–Tenho certeza que não,seu paladar deve estar com defeito- rebati ao seu insulto.
Eu não tinha errado na quantidade de sal,não mesmo,era só uma pitada e foi só uma pitada que eu coloquei.
–Não há nada de errado com meu paladar,tenho certeza- falou não se deixando abater.
–-Isso é bom,imagina se houvesse algo errado?
–O que quer dizer com isso?
–Eu nada Alice,você que começou,se não gosta da minha comida por quê está comendo?cuidado para sua língua não cair-falei debochada.
–CHEGA ISABELLA -me sobressaltei com o grito de Edward seguido por uma batida na mesa de vidro,que graças a Deus era suficientemente forte para não se quebrar com a força proferida por Edward.
Ele respirou fundo várias vezes com certeza tentando se acalmar.
–Isabella,Alice é uma visita assim como eu,tenha educação- falou mais calmo,mas sua voz era carregada de raiva.
–Você não manda em mim Edward- falei ríspida.
Antes que Edward pudesse retrucar meu irmão interferiu.
–Bella acalme-se,você e Alice,e Edward sem gritos.
Alice olhava a tudo parecendo muito satisfeita,oh raiva daquela mulher,vontade de dar uns belos tapas nela não me faltou.
–Vamos terminar o jantar,ou melhor vamos a sobremesa que é: Fregolatta,muito delicioso,é italiano-Rose falou tentando diminuir a tensão instaurada na sala de jantar.
Ela se levantou e foi a cozinha pegar a tal sobremesa,eu a todo momento tentava me acalmar fazendo o modo expira e inspira.
Droga,senti meus olhos arderem e uma vontade de chorar imensa me tomou,mas não deixaria me abater,aquela Alice veria que mexeu com a pessoa errada.
–Rose eu trouxe uma bolsa Lady Dior para você,ela é linda,mas eu esqueci de trazer- Alice falou e olhou para mim debochada.Rose colocou a travessa na mesa.
–OMG Alice a tempos eu queria uma bolsa da Lady Dior,Bella tem uma coleção,e elas são tão lindas -Rose suspirou.
Alice me lançou um olhar estranho.
–Foi com isso que você estourou o cartão baixinha?-perguntou Edward alisando sua mão que repousava em cima da mesa.
–Desculpe Edward,você deveria me dar um cartão ilimitado.
–Você faria um estrago baixinha- Emmett falou de boca cheia,sim ele comia a sobremesa com um faminto.Na verdade ele era um faminto.
–Para isso que servem as lojas e os shoppings para comprarmos,ok?-Alice passou as mãos nos cabelos lisos.
Quanto mais eu ouvia aquela conversa mais eu me convencia que essa mulher era fútil,tudo o que ela fazia era falar de roupas de marcas,bolsas famosas,sapatos e afins...
Como um ser humano normal conseguia viver com essa criatura por mais de algumas horas?
Ela era insuportável demais.
Mais uma duvida que estava em minha cabeça era?Por quê Edward deu um cartão para Alice?
Não que eu estivesse com inveja, porque dinheiro eu tinha e muito,mas Edward não daria um cartão a todos os seus funcionários,disso eu tinha certeza,era até meio ridículo.
–Emmett por quê o Edward deu um cartão para essa Alice?-sussurrei aproveitando que Alice,Rose e Edward estavam em uma conversa que eu não fazia parte e o Emmett estava ocupado demais comendo o que restou da sobremesa.
–O Edward meio que faz qualquer coisa pela baixinha aí,ele só não permiti que ela mande nele- explicou-me com a boca suja.
–Certo,agora limpa a boca por favor- repreendi.
Perguntei mentalmente:De que lado Edward ficaria se tivesse que escolher?
Do meu lado ou do lado da Alice?
Sinceramente não queria saber dessa resposta.
–Isabella,preciso conversar com você -Edward falou e se levantou.
Eu o segui silenciosamente e não deixei de notar o sorriso de Alice.
Não sabia o que ele queria falar comigo,esperava sinceramente que o assunto não fosse Alice.
–Por quê fez Alice chorar?saiba que não gostei do que fez Isabella,Alice não fez nada de mal para com você- Falou depois que nos afastamos dos demais.
Fiquei estática.
–Você foi a causa do choro dela,ande,responda-me Isabella,ou está com medo?Por quê medo de destratá-la você não teve,mais você tem medo de mim Isabella?

''Se sofrer uma injustiça, console-se, a verdadeira infelicidade é cometê-la''
Demócrito.

POV Bella

–Sim,ele me beijou,Rose ele beija tão bem!-exclamei feliz.
–Oh Bella,você está apaixonada pelo Cullen-Rose estava completamente certa.
–Eu sei,mas isso é frustrante demais,Edward não parece sentir o mesmo.
Rose me olhou de forma compreensiva.
–Bella,entenda que Edward é um homem de personalidade forte,ele geralmente leva logo as mulheres para a cama e isso é algo novo demais para ele,vocês trocaram um beijo e isso não significa que vocês irão engatar em um namoro agora,dê tempo para que ele se acostume com todas essas mudanças que você está causando na vida dele,mais só digo uma coisa:Provoque-o- bateu as duas mãos e levantou-se do sofá-Agora vamos preparar o jantar e esquecer um pouco do gostoso do Edward.
–Vamos Rose e cuidado para não soltar na frente do Emm o que você acabou de dizer do Edward.
Segui minha cunhada em direção a cozinha,mas o telefone tocou e eu corri para atender.
–Residência dos Swan.
–Sem formalidades Bells- alguém me explica como eu iria adivinhar que era o Emmett?
–O que você quer cabeção?
–Calma estressadinha,só liguei para avisar que o Edward e a Alice vão jantar conosco,beijo.
Desligou na minha cara.
Ele disse que o Edward viria jantar aqui?e Alice?quem era Alice?Oh meu Deus,não estou sentindo as minhas pernas!
Corri para a cozinha.
–ROSE -gritei.
–Que susto criatura,quem morreu?
–Ninguém,mas o Edward vem jantar aqui.
–E?
–Rose o Edward vem e eu não sei como agir perto dele.
–Fácil cunhada,você irá conquistá-lo pela barriga.
–Vou?
–Vai Bella.Vamos comece a fazer o jantar.
–E o que eu vou fazer?
–Você conzinha,você escolhe o que vai fazer-revirou os olhos.
–Chata.
–Eu sei que você me ama-bateu no meu bumbum.
Pensa Bella,pensa.O que o Edward gostaria de comer?
–Vou fazer uma Cocotte Surprise.
–O que seria isso?é bom.?
–Claro Rose,preciso ver se tem os ingredientes aqui.
–Certo,pode dizer os ingredientes que eu falou se tem ou não.
–4 ovos.100 g de massa filo.100 g de queijo de cabra fresco,2 tomates maduros,ramos de tomilho,1 colher de sopa cheia de azeite,pitada de sal.
–Tem tudo Bella,como se faz?
–Primeiro tem que retirar a pele e a semente dos tomates. Debulhar o tomilho.
Colocar no fundo da panelinha um fio de azeite e quebrar o ovo dentro dela. Distribuir queijo e tomate sobre o ovo , regar de azeite e salpicar sal.
Sobre o ovo distribuir as folhas de massa filo até dar a altura da panelinha.
Levar ao forno preaquecido a 220 graus por 6 minutos.Por último servir bem quente.
–Como você sabe disso tudo Bella?
–Rose os Swan tem muitos talentos.-me gabei.
–Convencida você,hein?
–Não querida cunhada,eu sou realista.
–Continuo achando que você é convencida.
–Ache o que quiser Rose,eu vou preparar o meu prato.
–Preparar o seu prato para Edward Cullen.
–Quem está afirmando isso é você!
Comecei a separar os ingredientes,Rose tentava me ajudar mais ele se mostrou uma péssima ajuda quando derrubou três ovos,sujando o chão da conzinha,sem contar que ao invés de um filete de azeita na panela,ela meio que colocou muito azeite,depois desses fatos trágicos que só me atrapalharam, a expulsei da cozinha,ela saiu alegando que a casa era dela e blá blá blá.
Depois de preparar o prato,eu fui tomar banho.Estava estranhamente nervosa,Edward mesmo inconscientemente me deixava assim.
Isso era uma droga.
Desci as escadas e fui em direção a cozinha olhar meu prato que ainda estava no forno,escutei umas vozes na sala,que provavelmente eram do meu irmão e do Edward.
–Boa noite Rosalie- Edward sempre se dirigia a Rose sério.
–Edward.-ela o cumprimentou.
–Rose-uma voz feminina soou.
–Alice,quanto tempo!
–É,estava viajando a trabalho mais uma vez,Edward deveria me dar uma folga.
–Sem reclamações pequena.-Edward se fez presente na conversa.
–Tudo bem,Edie.-falou docemente.
Edie?
Edward não gostava de apelidos,quem era essa Alice?
Esqueci de avisar a Rose que essa Alice viria.
Me subiu uma raiva e uma vontade de estapear essa criatura que eu sequer conhecia,mas dava para notar que eles se davam bem.
A minha parte boa fez o favor de lembrar-me que nós não éramos nada.
Edward era de todas.
Isso me entristecia.
–Conte-me as novidades Alice.
–Ah Rose,fiz muitas compras,e err eu estourei o cartão que Edward me deu.
Cartão?
Decidi me focar em meu prato,e desliguei o forno.
–Bella minha maninha mais linda,que cheiro bom- Emmett entrou na cozinha falando e para variar me sufocou em seu abraço de urso.
Era muito bom ser abraçada por Emmett.
–Oi,foi eu que fiz.
–Nossa!quer impressionar alguém?
–Quero -ele estreitou os olhos para mim.
–Quem Isabella?
–Você seu bobo- Emmett era tão ciumento.
–ótimo,você é minha irmãzinha e eu tenho que cuidar de você para nenhum lobo cercar você.
–Emmett uma dia eu vou casar.
–Quando meu caixão sair desta casa você pode casar-riu.
–Seu bobo,amo você
–Também amo você,minha caçula.
Ficamos um tempo na cozinha conversando sobre banalidades até que eu decidi perguntar quem era a tal Alice.
–Ela trabalha na empresa,mas viaja muito e fica meses fora,ela é a única que consegue aturar o mau humor de Edward,aquela baixinha morre de ciúmes de Edward com outras mulheres.
–Ela gosta dele?
–Tem uma paixão secreta por ele,mas o Edward nem desconfia.se você não quer uma inimiga nem olhe para Edward quando Alice estiver perto dele.
–Sério Emm?
–É bonequinha.
–Nossa.
–Bom Bells vamos para a sala.
–Calma eu vou colocar a mesa.
–Quer ajuda?
–Sim,vamos ursão.
–Oh,Rose que me chama assim nós nossos momentos quentes.
–Emmett,sua vida sexual não me interessa,sabia ?
O idiota apenas riu pois eu corei,as vezes o Emm era sem noção! FATO.
Então quer dizer que essa Alice tem uma paixão secreta pelo Edward?
Mais uma concorrente na minha lista.
–Pronto Bella,vamos para sala.
–Emmett o prato tem que ser servido bem quente,vamos jantar logo.
–Então vamos chamá-los.
Segui abraçada a Emmett e quando chegamos a sala, todos os olhares se voltaram para nós,especificamente para mim.
Odeio ser o centro das atenções.
A tal Alice estava meio pendurada no pescoço de Edward,isso me deu raiva.
–Oh Emmett,pensei que sua irmã fosse uma garotinha.-exclamou Alice,ela não parecia feliz com a constatação de que eu não era uma garotinha e sim uma mulher.
Tinha que admitir que a tal Alice era uma mulher linda,.branca,dos cabelos que batiam um pouco acima da cintura,era muito delicada.
Era fútil demais.
–Não Ali,a Bella é esse mulher linda a sua frente.
Ela deu um sorriso muito falso.
Ela definitivamente não gostara de mim.
–Emmett vamos jantar-chamou Rose percebendo o clima tenso.
–Vamos.
Todos se levantaram,eu segui por último,mais senti uma mão agarrar minha cintura,eu conhecia aquele toque.
Edward.
–Por quê está assim tão tensa Bella?
–Nada,apenas acho que a Alice não gostou de mim.
–Estou louco para beijar você de novo,sabia?
–Sério?
–Sim,minha cereja.
–Então o que você está esperando?
Sem esperar ele tomou minha boca na sua,faíscas de fogo se apoderavam do meu corpo,era muito bom beijar Edward,eu era levada para outro mundo,estranhamente feliz.
Como tudo que é bom dura pouco,ouvi um ofegar.
–O que significa isso Edward Cullen?
Alice estava parada a nossa frente me olhando mortalmente.
Merda,essa mulher quer guerra...ela vai ter.


''Os homens fazem a guerra usando armamento pesado: metralhadoras, bombas, tanques etc.
As mulheres fazem a guerra usando armamento pesado, mas sutil. Não disparam um único tiro.
Como terá sido a guerra travada por duas mulheres guerreando pelo mesmo homem? Quais foram suas armas?''

[n/a]Oh,até eu fiquei com raiva da Alice..

Capitulo Dezesseis
– Tudo bem, Tânia? – perguntei preocupado e percebi que ela olhava para um lugar, segui seu olhar e arregalei os olhos ao ver Bella me encarando furiosa.
PQP!
– O que ela faz aqui? – ouvi a voz de Tânia e lembrei como ela conhecia Bella. Nosso pequeno encontro no clube veio a minha mente e gemi internamente.
– É a bibliotecária. – falei baixo e Tânia se virou pra mim chocada.
– Oh! – antes que falássemos mais ouvi passos se aproximando e ambos olhamos pra frente e Bella vinha em nossa direção.
– Olá. – Tânia corou e esfregou as mãos nervosamente, suspirei e fui até Bella.
– Oi.
– Já quer ir? Eu te levo. – ela ofereceu dando uns olhares mortais a Tânia que parecia ansiosa. Cocei a nuca e olhei receoso para Bella.
– Bem, eu tenho que fazer um trabalho com Tânia. – apontei para ela e Bella bufou. E me deu um olhar de aviso e foi embora.
Suspirei e pensei em ir atrás dela, mais realmente tinha medo dela me matar. Mais se eu não fosse eu podia perdê-la. Olhei para Tânia e tentei sorrir.
– Podemos nos encontrar na minha casa as 4? – ela mordeu o lábio.
– Claro. – agradeci, isso me daria uma hora pra falar com Bella.
Sai correndo e vi seu carro saindo do estacionamento, corri até ele e fiquei bem na frente, ela freio bruscamente e coloquei as mãos no capo, minhas pernas tremulas.
– Edward? – respirei fundo e corri até a porta do carona e entrei apressado.
– Oi.
– Não ia fazer um trabalho com sua amiguinha? – falou irritada e sorri.
– Eu vou. Mais antes eu precisava acalmar minha namorada. – ela sorriu e começou a dirigir.
– Quanto tempo temos até ela chegar?
– Combinei as 4 na minha casa. – ela sorriu maliciosa e meteu o pé no acelerador.
Coloquei o cinto rapidamente e minhas mãos cravaram no banco. Bella rolou os olhos e dirigiu rapidamente.
Assim que chegamos e sai do carro ela agarrou minha camisa e me puxou para sua casa. Mal fechou a porta me prensou contra a porta e me beijou.
Suspirei de olhos fechados, enquanto sua língua invadia minha boca com urgência, a abracei apertado, e senti suas mãos descendo pelo meu corpo e desabotoando meu jeans.
– Bella... – chamei ofegante separando nossos lábios, mais ela me ignorou e começou a se abaixar levantando minha camisa e empurrando para fora, levantei os braços para ajudá-la, e logo sua boca estava em meu peito. Lambendo e chupando minha pele, sua língua rodeou meu peito e suspirei acariciando seus cabelos.
Ela voltou a descer os lábios enquanto abaixava minhas calças juntos com a cueca, seus dedos me rodearam e gemi entre dentes.
– Bella...
– Só quero dar um beijinho, gatinho. – falou manhosa e bati a cabeça contra a porta, ela beijou a cabeçinha e meu pau já estava alerta.
Sua língua rodeou a glande, a chupando em seguida. Gemi alto e acaricie seu cabelo novamente, ela voltou a beijá-lo e dando pequenas linguadas em meu cumprimento, suas mãos seguravam a base e a outra massageava as bolas.
– PQP! – gemi baixo e ela riu baixinho, soprou meu pau e o engoliu, quase gritei quando senti sua boca quente em volta do meu membro.
Se ela continuasse assim eu iria gozar rapidinho.
– Bella. – chamei em um gemido, ela olhou pra cima sem me tirar da boca e gemi novamente.
– Amor, eu vou gozar. Vem aqui, vem. – ela sorriu maliciosa e deu uma chupada longa e saiu e ficou de pé.
Estiquei os braços e ela negou, começou a andar de costas e tirar as roupas pelo caminhos. Suspirei vendo seus seios nus, e sua linda bocetinha a mostra.
– Vem me pegar, gatinho. – falou mordendo os lábios e gemi e fui até ela.
Quando cheguei perto o suficiente ela não me deixou tocá-la, me empurrou para o sofá e subiu em cima de mim. Levei a mão aos seus seios e brinquei com os mamilos durinhos.
– Hmmm... – ela gemeu e levou a mão ao meu pau e o guiou para sua entrada, deslizei fácil em seu núcleo úmido e quente como um vulcão.
– Deus, Bella.
Ambos gememos quando ficamos completamente unidos. Ela apoiou as mãos em meu peito e começou a rebolar sobre mim.
Minha respiração estava vindo em arfadas, continuei brincando com seus biquinhos e ela começou a subir e descer sobre mim.
Meu pau pulsava e seu núcleo me apertava forte. Estávamos no limite. Levei os dedos para seu clitóris e o pressionei, ela gemeu alto e senti seus sexo se contrair ao redor do meu.
Meu pau pulsou fortemente e agarrei seus quadris, movendo seu corpo mais rápido pra cima e pra baixo. Meu gozo veio rápido e senti o dela molhando meu pau.
Ela caiu mole sobre mim e me abraçou apertado. Beijei seus cabelos e ficamos deitados alguns minutos. Ela saiu de cima de mim, e deslizei fora de seu interior.
– O que foi isso? – perguntei com um sorriso idiota e ela riu.
– Só marcando meu território. – piscou pra mim e caminhou para pegar as roupas no chão.
Fiquei admirando sua bunda linda, e antes que eu pensasse em mais alguma coisa ela me jogou minhas roupas.
– Hey.
– Você não tem um trabalho pra fazer? – olhei no relógio na parede.
– Merda! – me vesti rapidamente e Bella vestiu sua calçinha, mais continuou com os seios nus a mostra.
Gemi tentando evitar olhá-la, mais vi que ela sorria maliciosa. Safada. Terminei de me vestir e fui até ela, e dei um beijo rápido.
– Você é má. – resmunguei contra seus lábios.
– Se você for rapidinho. Eu posso estar assim te esperando. – ela falou ao se afastar e mordeu o lábio.
– PQP! Muito má. – resmunguei e sai porta fora.
Corri para minha casa, cheirando a Bella. Só espera que minha mãe não percebesse. Olhei para os lados e pensei em me rastejar até minha casa.
Mais lembrei que minha mãe já sabia, então todo confiante, sai andando pela rua.
Acabou os momentos missão impossível, e as subidas nas arvores, o mato no cabelo e os futuro arranhões. Talvez eu nem precisasse mais fugir pro México.
O que é uma pena. Por que eu realmente queria ir pro México. Se eu já não estivesse esperando o carro de presente de aniversario. Eu pediria uma viajem para o México.
Ou poderia ir na formatura.
Sim, o Ramirez disse que eu podia ficar com ele. Ele me mostraria os pontos turísticos. Bella até podia ir comigo...
– Edward. – ouvi alguém chamar e notei a mulher pequena e loira. Corei um pouco e abaixei a cabeça.
– Olá Sra. Black. Como está sua mãe? – falei constrangido e ela sorriu.
– Me chame Jane querido. – sorri sem graça e corri a ajudá-la a tirar a mala do carro.
– Eu ajudo.
– Você é um doce. Você viu Jake?
– Não. – falei em um sussurro e ela suspirou.
– Ele disse que estaria em casa. E eu já liguei mais ele não atende.
– Deve estar cochilando. – falei dando de ombros e andando até a casa.
– Sabe de quem é esse carro? – ela apontou para um carro azul estacionado em frente a garagem.
– Deve ser do Sr. Paul. – chutei e ela arqueou uma sobrancelha.
– Paul? – me arrependi de ter dito. Ela olhou desconfiada para a casa e carreguei a mala até a porta.
Será que o Sr. Black estava com o amante. Eu devia impedir fazer alguma coisa. Suspirando e pensando que Deus tava me devendo essa eu gritei assim que ela abriu a porta.
– COMO FOI A VIAGEM SRA. BLACK.
– Por Deus, por que grita.
– NADA DE MAIS. ENTÃO SRA. BLACK, COMO FOI TUDO LÁ SRA. BLACK. – ela me olhou como se eu fosse louco e suspirei. Mais acabei sorrindo quando o Sr. Black desceu afobado as escadas.
– Jane amor. – ele me olhou de esguelha, e abraçou ela.
– Eu já vou. – falei saindo dali rapidamente.
Viu Deus, eu mereço aquele carro. Eu sou super generoso. Salvei o Sr. Black de apanhar, e a Sra. Black de ficar traumatizada.
Bella vai ficar orgulhosa de mim.
Enfim fui pra casa e ao entrar ouvi risadas. Segui o som e Tânia estava no sofá ao lado de minha mãe e as duas rindo e conversando.
– Olá.
– Bebê. – gritou minha mãe e percebi que tinha algo no colo dela, arregalei os olhos quando vi meu álbum de quando eu era bebê. Corri até lá e tirei das mãos dela.
– Mãe!
– O que?
– Eu não te proibi de mostrar esse álbum. – acusei e ela suspirou.
– Mais Edward, não foi de propósito. Eu estava aqui vendo ele quando sua adorável amiguinha chegou.
– Por que estava vendo essa coisa velha? – resmunguei e ela ficou com os olhos marejados.
– Estava relembrando a época em que era meu bebê. Puro e inocente, e não um perdido no mundo das drogas.
– Você se droga? – perguntou Tânia alarmada e bufei.
Lá vamos nos de novo.
[...]
Já era tarde quando Tânia saiu de casa.
Na verdade acabamos o trabalho cedo, mais por causa da minha mãe que a convidou a jantar. Perdi o resto da tarde e não deu pra ficar com Bella.
Mais assim que Tânia saiu eu corri para o meu quarto e peguei umas roupas jogando na mochila e meus cadernos. Ia sair pela janela de novo.
Dessa vez eu ia tomar cuidado, e chegaria na casa de Bella inteiro. Esperava que sim. Sentei na beirada na janela já me preparando pra soltar quando ouvi.
– Humrum. – virei e vi minha mãe me olhando brava e meu pai com uma careta.
– Não deu para segurá-la soldado. – suspirei e sai da janela.
– Tudo Bem comandante. – ele sorriu e ela nos olhou como se fossemos loucos.
– Você também Carl?
– Eu o que?
– Está usando drogas.
– Esme! – ele bufou.
– Tudo bem querido. Depois resolvemos o seu problema. Eu tenho um potinho extra. – não deu pra segurar, eu gargalhei da cara de choque do meu pai. Ele me olhou serio.
– Sim, quando eu for usar, você usa o seu filhão. – fiz um bico e me sentei na cama.
– Então, o que foi?
– Nos precisamos conversar Edward. – ela falou serio e suspirei.
– Se for ofender Bella....
– Não. Eu só não quero você fugindo no meio da noite.
– Ok. Então o que quer?
– Bem eu conversei com seu pai, e vou aceitar seu namoro.
– Mesmo?
– Sim. Sei que Bella é uma boa moça. Eu só estava um pouco irritada. Meu bebê já é um homem, e isso assusta uma mãe. – sorri.
– Tudo bem mãe. – ela segurou a mão do meu pai e sorriu pra mim.
– Então gostaríamos que convidasse Bella para jantar amanhã.
– OK.
– E teremos uma conversa seria. Nos quatro. – arquei uma sobrancelha.
– E o que consistira essa conversa? – ela sorriu mais amplamente.
– Temos que resolver quando vocês vão casar.
Continua